Saudação ao sol. O que é? Como se pratica? Para que serve?

Jean Pierre de Oliveira
Para ler na edição especial da revista Reiki & Yoga de Agosto.

 

A forma como começamos a nossa manhã condiciona o nosso estado de espírito durante todo o dia. Por isso, é importante cultivarmos rituais matinais que nos façam sentir bem e que nos garantam a força que precisamos para as horas seguintes. A saudação ao sol (ou, surya namaskar, se preferir) não é mais do que isso: um ritual em que damos as boas-vindas ao novo dia e renovamos as nossas energias. Mas apesar de ser o exercício perfeito para o momento em que os primeiros raios de sol caem no plexo solar, a saudação ao sol pode ser praticada a qualquer hora do dia ou até da noite. Estivemos à conversa com o professor de yoga Jean Pierre de Oliveira, para (re)descobrir esta famosa sequência de asanas.

Corpo e mente em uníssono

Do ponto de vista prático, é uma das sequências de posturas mais conhecidas e utilizadas no yoga. E pode assumir inúmeras variações. As mais conhecidas são as versões A e B, mas todas as variações da saudação ao sol são sempre reagrupadas e concebidas para criar um programa de exercício que ‘solicite’ todo o nosso corpo. A ideia é activar os músculos, tendões, ligamentos, articulações e até os nossos órgãos internos. Inclui posturas de força e, claro, persistências. E se há asanas em que os músculos se queixam, no final o corpo agradece sempre. Porquê? Porque o nosso corpo assim está a acordado e preparado para o dia. E, em consequência, a nossa mente está desperta!

Do ponto de vista de um professor de yoga, a saudação ao sol oferece ainda mais possibilidades. «Eu utilizo a saudação ao sol para efetuar transições em blocos de posturas, criando fluidez nas sequências, ritmo e coerência», revela Jean Pierre. Porque, e muito embora seja uma prática em si mesma, a saudação ao sol é uma forma excelente de garantir ligação entre os aquecimentos e as posturas intensas de yoga.

Os alinhamentos da saudação ao sol aliviam a rigidez corporal e ajudam a aumentar a flexibilidade. Se feita num ritmo rápido pode ser uma boa forma de perder peso, além de ser um excelente exercício cardiovascular. E a sua prática diária tem numerosos benefícios para os sistemas digestivo, respiratório através da ativação da circulação sanguínea.

Tudo se transforma

Se o yoga é orgânico (passível de ser adaptado ao seu praticante, em vez de esperar que os praticantes a ele se moldem), também a saudação ao sol o é. E pode ser utilizada de várias formas, dependendo do compromisso e da condição física do participante. A sua prática pode ser mais lenta ou mais rápida, por exemplo. E o número de vezes que escolhe repetir a sequência é definido por si e pode ir das 10 às 108. A 108 saudações ao sol são, aliás, uma prática habitual dos yogis mais empenhados, que assim assinalam alturas específicas do ano, como os solísticios e equinócios, altura em que a natureza se renova e os nossos corpos pedem essa renovação também. Conta-nos Jean Pierre, que «o número 108 é considerado um número sagrado, por diversas razões matemáticas, físicas e metafísicas». Para ter uma ideia, este número é o produto de operações matemática simples e precisas. Quer exemplos? Se multiplicar 1 elevado a ele mesmo por 2 elevado à 2ª e por 3 elevado à 3ª o resultado é 1 x 4 x 27 = 108. Mas há mais: a distância média entre a Lua e a Terra é de 108 vezes o diâmetro lunar. Coincidência? Talvez não.

SAUDAÇÃO AO SOL – VERSÃO A

1- TADASANA / SAMASTHITI

Em pé, voltado para o sol, coloque as mãos juntas em frente ao peito, em posição angeli mudra. Tenha os ombros para trás e os joelhos soltos.

1. Tadasana  braços ao longo do corpo

2- HURDVA HASTASANA

Mantendo os pés firmes no chão e paralelos entre si, eleve os braços no sentido do tecto ou do céu. Devagar, incline as costas e aponte com as mãos para a parede atrás de si. Não deixe a cabeça cair abaixo do nível dos ombros para manter a sua cervical protegida.

2. Hurdvha Hastasanauttitha tadasana braços levantados no sentido do Teto

3- UTTANASANA

Dobre o corpo sobre si, colocando as mãos no chão e sem dobrar as pernas mas com os joelhos soltos. O topo da sua cabeça deve apontar também para o chão. Toque no solo com a ponta dos dedos.

5. Uthanasana corpo dobrado, mãos no chão e o topo da cabeça aponta para o chão

4- HARDHA UTTANASANA

Partindo da posição anterior, suba a cabeça (olhando para a frente) ao mesmo tempo as pernas dobram, flectindo um pouco os joelhos. O peso deve estar nos calcanhares e a nuca deve permanecer longa.

5a. Uthanasana variação Inspire olhe em frente, expire relaxe a nuca

5- PHALAKASANA

Faça uma prancha. Com o umbigo para dentro e glúteos activos, coloque toda a força no abdominal.

9. Palakasana Prancha

6- CHATURANGA DANDASANA

A partir da posição de prancha, proceda à flexão dos braços, mantendo os cotovelos junto ao abdominal.

10a. Chaturanga 1 (flexão dos cotovelos)

7- URVHA MUKHA SVANASANA

Assuma a posição ‘cão que olha para cima’, deitando as pernas sobre o tapete e fixando apenas os dedos do pé no tapete. Suba os braços e, com eles, o abdominal, costas e cabeça. Olhe para o tecto e mantenha a nuca longa. Solte os cotovelos, empurre o peito para a frente, contrar os glúteos e force os ombros a baixar.

11b. Palakasana, Urdvha mukha shvanasana Cão que olha para cima

8- ADHO MUKHA SVANASANA

A posição de “V” invertido é uma posição de descanso. Aproveite para recuperar a respiração.

10e. Volte a Adho mukha shvanasana posição de “V” invertido

9- UTTANASANA

Ande ou salte para a posição inicial de Uttanasana.

5. Uthanasana corpo dobrado, mãos no chão e o topo da cabeça aponta para o chão

10- UTKATASANA

Para a posição da cadeira, mantenha as pernas fletidas, com as ancas para trás. Eleve os braços, mas mantenha o antebraço alinhado pelas orelhas. O umbigo deve estar voltado para dentro e os ombros devem permanecer baixos. Olhe em frente.

17. Utkatasana Posição da cadeira, pernas fletidas, ancas para trás, braços alinhados pelas orelhas

11- URDVHA HASTASANA

Os braços sobem, os dedos ficam voltados para o tecto, com a palma da mão activa. Suba o corpo até à posição vertical, desflectindo as pernas mas colocando a força nas nádegas e calcanhares.

18a. Hurdvha Hastasanauttitha tadasana braços sobem, dedos voltados para o tecto, subir o corpo até à posição vertical

12- TADASANA / SAMASTITI

Volte à posição inicial.

19. Tadasana samasthiti mãos juntas ao peito, força nos dedos, manter os músculos do braço activos (em angeli mudra)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: