A vida dos velhos em tempos de pandemia

Por Luísa Pinheiro
Co-fundadora da Cabelos Brancos e ativista contra o idadismo

Dizem que momentos como aquele que estamos a viver, uma pandemia global, pode despertar o que há de melhor e pior na humanidade.

Infelizmente, no que toca à dignidade humana das pessoas mais velhas, o despertar tem sido tudo menos positivo.

O vírus do covid-19 está definitivamente colado às pessoas mais velhas, no sentido negativo, muitas vezes falseado e discriminatório.

Em Portugal, a faixa etária com mais números de casos está entre os 40 e os 49 anos. A mortalidade é efetivamente mais elevada no grupo acima dos 80 anos, especialmente, em pessoas do sexo masculino.

A ideia de que esta batalha é nossa, das gerações mais novas, é absurda e divergente!
Dizem que os nossos avós tiveram a guerra colonial, o 25 de abril, e nós “os não velhos” temos o covid-19. Os nossos antecessores estão vivos e também vivem esta pandemia!
Afirmam que os velhos não respeitam as ordens de isolamento social, de confinamento, que são todos teimosos e estouvados.
Quando na rua vemos pessoas de idades mais novas a fazerem exatamente o mesmo ou pior: vão correr, vão à praia, vão passear o cão 5 vezes ao dia, todos os motivos são válidos para quebrar a quarentena… Neste caso, os mais novos, são apenas leves transgressores e não “velhos idiotas”, que não sabem obedecer a ordens de estado de emergência social. 

Há umas semanas atrás morreu um jovem de 14 anos de covid-19 e a forma como a jornalista transmitia a notícia tinha um ar mais grave do que o habitual. Quando anunciam que morreu um idoso de covid-19, os mais novos, “respiram de alívio”.

Velho nojento, velho rabugento, velho inútil, velhos com os pés para a cova. Os velhos são todos iguais, dizem os ignorantes. Só mudam o tom quando falam do seu velho ou velha, que pode ser um pai, uma avó, ou uma tia.
Ninguém se vê como futuro velho e pouca gente tem empatia pelos velhos além dos seus.

Foto: José Sena Goulão/lusa

De Espanha veio uma notícia arrepiante.

“Covid-19. Grupo de idosos infetados recebido com pedras e explosivos em transferência de lar em Espanha.
De acordo com o relato da polícia, as ambulâncias que transportavam o grupo de idosos foram apedrejadas e um carro atravessou-se no caminho. Mais tarde, houve outros atos violentos que incluíram o arremesso de engenhos explosivos e a queima de contentores”.

Se fosse um grupo de crianças infetadas, a reação seria a mesma?
Não, não seria.

Esta pandemia colocou a nu toda a discriminação, intolerância, ódio e preconceitos que perduram entre as diferentes gerações.

Novos / produtivos / saudáveis Vs Velhos / inúteis / doentes.

O ódio está mais vivo do que nunca e vai deixar marcas irreversíveis na humanidade como um todo.

Luísa Pinheiro
http://www.cabelosbrancos.com
Instagram: cabelosbrancos
Facebook: associacaocabelosbrancos
associacao.cabelosbrancos@gmail.com

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: