Slow Living Yoga

O Blogue dos Yogis que vivem na cidade.


Deixe um comentário

108 SAUDAÇÕES AO SOL

Ciclo de aulas comunitárias 2018 fecha com 108 Saudações

O solstício de inverno aproxima-se. E o fim do ano também. Em homenagem aos dois, o professor Jean Pierre de Oliveira desafia a uma sessão de yoga com 108 saudações ao sol, já no dia 31 de dezembro, a partir das 10 horas, no espaço ANJOS70, em Lisboa. «As 108 saudações são uma práctica transformadora, ideal para limpar o corpo e o espírito do que já não interessa e renovar as energias», explica Jean Pierre. «Esse processo é essencial para nos deixar mais receptivos aos ensinamentos que a vida nos proporciona e por isso perfeito para terminar o ciclo de 2018 e iniciar o 2019 com o pé direito», continua.A aula comunitária desenvolve-se ao longo de quatro sequências, cada uma com 9 blocos de 12 saudações ao sol. Entre cada um dos blocos o professor convidará os participantes a meditar para recuperar forças e energia. 

As inscrições podem ser efectuadas através do email info@yoga-spirit.pt. O pagamento é feito por donativo livre, cada participante decide o valor.

QUAL O SIGNIFICADO DAS 108 SAUDAÇÕES AO SOL?
O número 108 tem várias interpretações, mas já é considerado há muito tempo sagrado no hinduísmo e no yoga. 
. Segundo a tradição yógica, existiriam 108 locais sagrados na India, tal como 108 Upanishads e 108 pontos Marma (em Ayurveda, existem 108 pontos sagrados no corpo).
. Em astronomia, a distância entre o Sol e a Terra seria de aproximadamente 108 vezes o diâmetro do sol: Os mais ilustres matemáticos dos vedas viam o número 108 como uma representação da totalidade da existência por conectar o sol e a lua à terra; a distância média do sol e da lua à Terra é de aproximadamente 108 vezes os seus diâmetros respectivos. Esta afirmação levou ao desenvolvimento de vários rituais. 
. Em numerologia, 108 equivale a 9, número que simboliza o amor incondicional, a eternidade e o despertar.
. Tradicionalmente os Malas (Rosários Hindus), têm 108 contas.

QUANDO PRATICAR?
É claro que as 108 Saudações ao Sol podem ser praticadas em qualquer altura e com a frequência desejada mas, tradicionalmente, reserva-se para a mudança de estação, pelos motivos seguintes:
. Primavera e Outono: Equinoxes
No período dos equinócios, os dias e as noites têm a mesma duração. O equinócio de Primavera representa o renascimento e os novos começos, sendo altura ideal para a limpeza (detox) do corpo. O equinócio de Outono é mais propício ao recolhimento e ao enraizamento.
. Verão e inverno: Solstícios
O solstício de Verão é visto como altura de celebração. Nas mais variadas culturas existem festivais para celebrar o Sol e o potencial da sua energia criadora. O Verão é um momento onde tudo se expande. O solstício de Inverno representa o abrandar e recolhimento com a esperança da chegada de momentos mais auspiciosos. 

O mais provável é que os Yogis utilizem as 108 Saudações para se conhecerem melhor a si próprios.

PORQUÊ PRATICAR?
Acredita-se que o calor produzido pelo corpo, e também aquele que é construído durante a prática, permitem limpar do corpo e da mente aquilo que já não interessa, levando a uma aproximação ao nosso EU interior.
. Energia em movimento
As 108 Saudações ao Sol aquecem o corpo e activam o nosso Prana, ou energia expansiva, permitindo o desbloqueio de emoções recalcadas.
. Entrega
É comum desejar-se desistir durante as práticas de Saudação ao Sol, mas se conseguir libertar-se destes pensamentos, irá chegar a um estado de “transe”, entrando num “flow” energético, libertando-se das amarras da mente para fluir livremente no seu próprio corpo. Por fim, irá sentir leveza e paz percebendo à sua maneira a importância e sentido deste ritual antigo.
. Ensinamentos
É mais forte do que pensa;
Pensamentos negativos não definem a pessoa que é;
O poder da mudança está em si e não nos outros;
Tem o poder de se manter focado para atingir objectivos;
Irá reconhecer a sua própria força interior;
Apesar da dificuldade do desafio irá sentir-se com mais energia.

Créditos das fotos: Mário Fragoso


Deixe um comentário

Recomendações gerais para praticar Yoga

Porque o que é bom senso para nós poderá não o ser para os outros, partilhamos algumas recomendações para que o seu momento de Yoga seja tão bom para si como para os outros.

ANTES DA AULA

Chegar atempadamente: se for a primeira vez, tente chegar 15 minutos antes para poder preencher algum questionário, mudar de roupa, e escolher o lugar.

Comer/Beber: é melhor fazer a digestão das refeições ou lanches antes de vir para a aula. Depois de uma refeição, aguarde duas horas antes de praticar Yoga. Se for um lanche ligeiro, basta uma hora.
Pode ser necessário beber água durante a prática. Mas terá melhor benefício se hidratar antes da aula.

O que vestir: roupa confortável e ajustável. O ideal é escolher as roupas que são mais adequadas para a transpiração, o movimento, a torção, e também, para estar deitado, e inclinado.

O que trazer: toalha e água.

Evite: usar perfumes, desodorizantes, óleos essenciais, ou colónias fortes. Assegure-se que as suas roupas e o corpo estão livres de odores para manter o seu espaço harmonioso para todos.


DEPOIS DE CHEGAR

Calçado: descalce os sapatos e as meias antes de entrar no sítio da prática, e coloque-os nos espaços adequados para o efeito.

Equipamentos eletrónicos: assegure-se por favor que o telemóvel fique desligado. Caso necessite ter o equipamento perto de si, deixe-o no modo silencioso. Na eventualidade do telemóvel tocar durante a prática, desligue logo que possível, por favor.

Comunicação aluno/professor: se tem alguma lesão, limitação, ou uma preocupação, informe o professor antes da prática, de forma a garantir uma prática adequada ao seu caso.

Entrada no estúdio: quando se entra na sala, por favor respeite a tranquilidade enquanto procura o seu espaço calmamente. Tente não fazer barulho quando se senta no tapete, e arruma os objetos (um bloco, um cobertor, e uma correia), e seja sensível se as conversas com outras pessoas podem perturbar as pessoas ao seu redor. Além disso, por favor, certifique-se de que fechou a porta atrás de você (silenciosamente), a fim de manter a temperatura do espaço de prática e reduzir qualquer ruído do lado de fora.

Posicionar o seu tapete: Oriente o seu tapete para que você esteja de frente para o professor. Se é novo no yoga e está a experimentar uma aula que pode ter alguns alunos mais experientes, coloque o seu tapete na segunda fila para que possa acompanhar a aula mais facilmente. Coloque os seus pertences e a garrafa de água perto do seu tapete para mantê-los à mão, mas tenha certeza que eles não estão no seu caminho.

Abrir espaço para os outros: se um colega chegar e não houver um espaço imediato disponível para o seu tapete, por favor, ajuste o seu tapete para criar espaço.

Tapetes de outras pessoas: para muitas pessoas, a esteira é um espaço seguro e sagrado. Por favor, respeite isso, não pise nos tapetes de outras pessoas, se possível.

Seja bem-vindo (a) à nossa prática de Yoga!

IMG_6837


Deixe um comentário

Aula de Yoga completa | Video

Com os seus habituais encontros mensais, que já atraem mais de 150 pessoas, tendo lugar reservado a cada último domingo, Jean-Pierre de Oliveira convida-o a participar na conhecida aula por donativo livre. Esta masterclass foi gravada no dia 29 de Abril, das 10h30 às 12h.

Pode ver ou reviver esta aula aqui, e outras mais no nosso canal Youtube.

Créditos do video: Ricardo Costa


Deixe um comentário

E agora, o Yoga começa

A vida passa, o tempo esgota-se sem darmos por isso. Todos sentimos o mesmo. E sentimos que queremos retirar mais desta vida, destes momentos que nos passam entre os dedos como se fossem grãos de areia. Queremos sentir que algo permanece, que a nossa presença física e que as nossas ações não sejam só uma memória. Queremos sentir que tudo o que fazemos, não seja só uma história passada, da qual só nos resta vagas recordações que vão desvanecendo com o tempo. Mais ainda, queremos que as memórias deixem de ser recordações e que permaneçam connosco e com os outros, que nos acompanhem na nossa jornada de seres humanos, a cada momento e para todo o sempre. Queremos não ter de olhar para trás para criarmos o sentimento e a sensação segura que a nossa vida valeu a pena, e que depois de deixarmos este corpo, que algo subsista na consciência universal e que tenha alguma utilidade para a expansão da mesma.

Queremos praticar yoga, achamos que “é por aí” que nos faz sentido caminhar para responder a esta necessidade de valorizar a nossa existência. O yoga é uma forma de se alcançar várias coisas ao mesmo tempo e por vezes nem sabemos o quê, nem sabemos bem qual o nosso objetivo final, mas temos a nítida intuição que faz parte do nosso desenvolvimento, e isto, também não sabemos bem porquê. Talvez queiramos alcançar algo que nos faça sentir bem…e de todas as opções que nos foram apresentadas, o Yoga é aquele que nos atrai mais, que nos seduz mais, por ser uma modalidade “filosófico-prática”, em volta de ciência mística e de filosofia milenar, por estar sempre à mão e ser completamente exótica ao mesmo tempo, por não requerer nenhuma habilidade específica em particular e porque a sua principal ferramenta somos nós mesmos. Isto, todos temos, porque está aí ao nosso alcance, ou pelo menos assim parece…

Parece tão simples mas continuamos a deixar passar o tempo, e ele passa, vai, e acaba por se confundir com a nossa imaginação. Deixamos de acreditar que a um certo ponto o que perdemos já foi o presente. E passamos o presente a reviver este passado perdido para não o esquecermos de forma definitiva. Parece mesmo uma história de loucos, e os loucos, somos nós mesmos. E é este quebra-cabeças que o Yoga nos promete resolver dando-nos os meios necessários para encontrar as soluções adequadas, e é o que nos prende, porque nos desafia a superarmos a nossa mente. É um desafio interior que exige de nós que se aceite o facto de sermos o único e principal interveniente do jogo, acarretando com todas as responsabilidades que levaram ao tipo de vida que temos agora, às mágoas que nos pesam, às dificuldades que nos endurecem, aos obstáculos que nos enfraquecem. Uma vez entendidas as regras do jogo, é um jogo que nunca vamos deixar.

Mas, ao acharmos que nos aproximamos da solução e que começamos a entender os princípios deste jogo psicológico, ao desenvolver continua e gradualmente uma visão diferente do mundo que nos rodeia, esta nova consciência mais expandida que se foi desenvolvendo silenciosamente irá criar por si novos desafios que nos levarão cada vez mais próximos de chegar à conclusão que temos de nos desprender do que era o nosso objetivo inicial, para que este seja finalmente alcançado. Teremos assim aprendido ao mesmo tempo o verdadeiro sentido do desapego, tornando-nos mais maduros e mais sábios. E ao alcançar este objetivo final, este mesmo irá levar-nos onde queríamos estar sem darmos por isso: Aqui e Agora.

O yoga é esta ciência, o método que nos dá as ferramentas para mantermo-nos no tempo como se estivéssemos a viver em modo de câmara lenta, permanecendo nos momentos que nos fazem sentir mais vivos, em suma, é viver em permanência com a consciência do momento presente, em estado de iluminação, em Samadhi. Viver em modo de yoga é viver no “aqui e agora” e é quando percebermos este Sutra de Patanjali: atha yoga anushasanam. E agora, o Yoga começa.

O primeiro dos ensinamentos de Patanjali para entendermos o que é o yoga, é afinal, também o último.

IMG_6752


Deixe um comentário

Os portugueses estão mudar

Os portugueses estão diferentes. De uma época onde não se tinha quase nada, para outra em que a abundância não parava de jorrar, parece que estamos a entrar finalmente numa fase de mais equilíbrio. Começa-se a optar mais pela qualidade dos bens do que pela simples qualidade subjectiva inerente as marcas que os promovem. Começa-se a racionalizar as despesas e racionalizar as escolhas, a viver-se mais pelo Ser do que pelo Parecer.

Depois de tantas mudanças e em tão poucos anos, os portugueses estão a ficar diferentes, conscientes do que querem, conscientes do que precisam. Conscientes que o equilíbrio está no meio termo entre o bem-estar físico e o bem estar-emocional. Há coisas que não mudam… o poder politico, o poder financeiro, o sentimento de poder por ter muito conhecimento e a modestia dos que entendem os erros da mente. Há, contudo, abertura para a mudança e para evolução e, felizmente, assim tem sido ao longo dos anos.

Nunca se falou tanto e se praticou tanto o Yoga. É verdade! A imagem desta filosofia tem-se alterado, adaptando-se aos que a procuram, preenchendo as necessidades de auto-realização individuais, ao ritmo de cada um e na dose certa e de facto, têm aparecido cada vez mais curiosos, cheios de vontade em entender e usufruir dos benefícios tão falados e bajulados desta prática milenar, situada entre o misticismo e a lógica implacável da realidade de ser um Ser holístico.

A prática de Yoga tem-se amplificado no mundo inteiro, o número de praticantes vai aumentando gradualmente. Parece que estamos a chegar ao ponto em que o Yoga está-se a tornar a ferramenta de bem-estar do futuro, para nos manter saudáveis e realizados.
Dar aulas abertas de Yoga onde chega a aparecer até 150 pessoas, parecia impensável ainda há uma década para ser hoje uma verdade bem real.

Sim, os portugueses estão mudar, estão a crescer e a aprender a tirar o melhor partido da vida e o Yoga está aqui para ajudá-los, cada vez e, quando precisarem. Os portugueses de hoje querem ser nutridos por dentro e por fora e estão a perceber que este alimento só lhes poderá ser facultado por eles próprios.

Namastê.

22310621_206986816508173_6196111142076551530_n

Créditos da foto: Pigmenta Fotografia


Deixe um comentário

Jean-Pierre de Oliveira no Porto – 9 e 10.12

O professor de Yoga,  Jean-Pierre de Oliveira, estará no Porto para uma sessão dupla de Yoga. Confirme a sua presença, num ou nos dois eventos, via o email: info@yoga-spirit.pt

No dia 9.12 | Jean-Pierre estará no Estudio de Yoga FreeFlow para apresentar o seu Livro, Slow Living Yoga, “Primeiro mudamos nós. Depois mudamos o mundo.” Edições ARENA.
Mais do que um livro, é essencialmente uma partilha intimista de pensamentos relacionados com a aplicação dos princípios filosóficos do Yoga na vida ao quotidiano.

Local: FreeFlow, Rua Vale Formoso, 284 (perto do Jardim da Arca d’Água)
4200-509 PORTO
Para saber mais, veja o evento no facebook: Aqui!

Para ver a entrevista do Jean-Pierre no programa “Faz Sentido”, clicar na imagem.

Screen Shot 2017-11-08 at 09.55.54

No dia 10.12| Todos os meses Jean-Pierre de Oliveira oferece uma prática de Yoga em Lisboa, e agora pela primeira vez no Porto. Não perca está oportunidade de praticar com um dos embaixadores do Wanderlust Portugal.

Com os seus habituais encontros mensais, que já atraem mais de 150 pessoas em Lisboa, tendo lugar reservado a cada último domingo, Jean-Pierre de Oliveira convida-o a participar na conhecida aula por donativo livre.

Local: Antas Prime FitnessRua Prof. Bento Jesus Caraça, 314, Porto
Para saber mais, veja o evento no facebook: Aqui!

                              Para ver o video da última aula comunitária em lisboa, clicar na imagem.

Capturadeecrã2017-11-27às13.11.40-2


Deixe um comentário

Video | Aula de Yoga Completa

Créditos do video, edição e montagem: Ricardo Costa

Com os seus habituais encontros mensais, que já atraem mais de 150 pessoas, tendo lugar reservado a cada último domingo, Jean-Pierre de Oliveira convida-o a participar na conhecida aula por donativo livre.
Esta celebração foi no dia 26 de Novembro, das 10h 30mns às 12h.
Neste domingo, o Professor terminou com o último ciclo dos 8 Ashtangas de Patanjali, que tem vindo a apresentar nos últimos meses:
– No dia 30.07 Samadhi
– No dia 01.10 Yamas e Nyamas
– No dia 29.10 Pratyhara, Dharana e Dhyana (com Rute Caldeira)
– No dia 26.11 Asana e Pranayama.

Clique na imagem para ver o video no nosso canal no Youtube.

Capturadeecrã2017-11-27às13.11.40

Composição da aula:
– Concentração com Pranayamas;
– Aquecimentos: Asanas suaves;
– Preparação à postura objetivo (postura mais complexa);
– Postura Pico (objetivo da prática). Consoante o nível dos praticantes, poderão ter mais do que uma postura;
– Arrefecimento e preparação ao relaxamento;
– Relaxamento: Savasana;
– Prathyara

A aula de nível intermédio, sendo deste modo, acessível a dois tipos de pessoas (além dos praticantes regulares):
– Os que têm conhecimento de Yoga, mas com pouca capacidade física
– Os que não têm conhecimento de Yoga mas com condição física adequada (sem problemas físicos maiores e resistência)
– Não se recomenda a quem nunca fez yoga e com condição física debilitada

Recordamos o seguinte:
As aulas públicas por donativo livro têm por objetivo a divulgação do Yoga como ferramenta de autodesenvolvimento de uma forma acessível.