Slow Living Yoga

O Blogue dos Yogis que vivem na cidade.


Deixe um comentário

Recomendações gerais para praticar Yoga

Porque o que é bom senso para nós poderá não o ser para os outros, partilhamos algumas recomendações para que o seu momento de Yoga seja tão bom para si como para os outros.

ANTES DA AULA

Chegar atempadamente: se for a primeira vez, tente chegar 15 minutos antes para poder preencher algum questionário, mudar de roupa, e escolher o lugar.

Comer/Beber: é melhor fazer a digestão das refeições ou lanches antes de vir para a aula. Depois de uma refeição, aguarde duas horas antes de praticar Yoga. Se for um lanche ligeiro, basta uma hora.
Pode ser necessário beber água durante a prática. Mas terá melhor benefício se hidratar antes da aula.

O que vestir: roupa confortável e ajustável. O ideal é escolher as roupas que são mais adequadas para a transpiração, o movimento, a torção, e também, para estar deitado, e inclinado.

O que trazer: toalha e água.

Evite: usar perfumes, desodorizantes, óleos essenciais, ou colónias fortes. Assegure-se que as suas roupas e o corpo estão livres de odores para manter o seu espaço harmonioso para todos.


DEPOIS DE CHEGAR

Calçado: descalce os sapatos e as meias antes de entrar no sítio da prática, e coloque-os nos espaços adequados para o efeito.

Equipamentos eletrónicos: assegure-se por favor que o telemóvel fique desligado. Caso necessite ter o equipamento perto de si, deixe-o no modo silencioso. Na eventualidade do telemóvel tocar durante a prática, desligue logo que possível, por favor.

Comunicação aluno/professor: se tem alguma lesão, limitação, ou uma preocupação, informe o professor antes da prática, de forma a garantir uma prática adequada ao seu caso.

Entrada no estúdio: quando se entra na sala, por favor respeite a tranquilidade enquanto procura o seu espaço calmamente. Tente não fazer barulho quando se senta no tapete, e arruma os objetos (um bloco, um cobertor, e uma correia), e seja sensível se as conversas com outras pessoas podem perturbar as pessoas ao seu redor. Além disso, por favor, certifique-se de que fechou a porta atrás de você (silenciosamente), a fim de manter a temperatura do espaço de prática e reduzir qualquer ruído do lado de fora.

Posicionar o seu tapete: Oriente o seu tapete para que você esteja de frente para o professor. Se é novo no yoga e está a experimentar uma aula que pode ter alguns alunos mais experientes, coloque o seu tapete na segunda fila para que possa acompanhar a aula mais facilmente. Coloque os seus pertences e a garrafa de água perto do seu tapete para mantê-los à mão, mas tenha certeza que eles não estão no seu caminho.

Abrir espaço para os outros: se um colega chegar e não houver um espaço imediato disponível para o seu tapete, por favor, ajuste o seu tapete para criar espaço.

Tapetes de outras pessoas: para muitas pessoas, a esteira é um espaço seguro e sagrado. Por favor, respeite isso, não pise nos tapetes de outras pessoas, se possível.

Seja bem-vindo (a) à nossa prática de Yoga!

IMG_6837


Deixe um comentário

Jean-Pierre de Oliveira no Porto – 9 e 10.12

O professor de Yoga,  Jean-Pierre de Oliveira, estará no Porto para uma sessão dupla de Yoga. Confirme a sua presença, num ou nos dois eventos, via o email: info@yoga-spirit.pt

No dia 9.12 | Jean-Pierre estará no Estudio de Yoga FreeFlow para apresentar o seu Livro, Slow Living Yoga, “Primeiro mudamos nós. Depois mudamos o mundo.” Edições ARENA.
Mais do que um livro, é essencialmente uma partilha intimista de pensamentos relacionados com a aplicação dos princípios filosóficos do Yoga na vida ao quotidiano.

Local: FreeFlow, Rua Vale Formoso, 284 (perto do Jardim da Arca d’Água)
4200-509 PORTO
Para saber mais, veja o evento no facebook: Aqui!

Para ver a entrevista do Jean-Pierre no programa “Faz Sentido”, clicar na imagem.

Screen Shot 2017-11-08 at 09.55.54

No dia 10.12| Todos os meses Jean-Pierre de Oliveira oferece uma prática de Yoga em Lisboa, e agora pela primeira vez no Porto. Não perca está oportunidade de praticar com um dos embaixadores do Wanderlust Portugal.

Com os seus habituais encontros mensais, que já atraem mais de 150 pessoas em Lisboa, tendo lugar reservado a cada último domingo, Jean-Pierre de Oliveira convida-o a participar na conhecida aula por donativo livre.

Local: Antas Prime FitnessRua Prof. Bento Jesus Caraça, 314, Porto
Para saber mais, veja o evento no facebook: Aqui!

                              Para ver o video da última aula comunitária em lisboa, clicar na imagem.

Capturadeecrã2017-11-27às13.11.40-2


Deixe um comentário

Video | Aula de Yoga Completa

Créditos do video, edição e montagem: Ricardo Costa

Com os seus habituais encontros mensais, que já atraem mais de 150 pessoas, tendo lugar reservado a cada último domingo, Jean-Pierre de Oliveira convida-o a participar na conhecida aula por donativo livre.
Esta celebração foi no dia 26 de Novembro, das 10h 30mns às 12h.
Neste domingo, o Professor terminou com o último ciclo dos 8 Ashtangas de Patanjali, que tem vindo a apresentar nos últimos meses:
– No dia 30.07 Samadhi
– No dia 01.10 Yamas e Nyamas
– No dia 29.10 Pratyhara, Dharana e Dhyana (com Rute Caldeira)
– No dia 26.11 Asana e Pranayama.

Clique na imagem para ver o video no nosso canal no Youtube.

Capturadeecrã2017-11-27às13.11.40

Composição da aula:
– Concentração com Pranayamas;
– Aquecimentos: Asanas suaves;
– Preparação à postura objetivo (postura mais complexa);
– Postura Pico (objetivo da prática). Consoante o nível dos praticantes, poderão ter mais do que uma postura;
– Arrefecimento e preparação ao relaxamento;
– Relaxamento: Savasana;
– Prathyara

A aula de nível intermédio, sendo deste modo, acessível a dois tipos de pessoas (além dos praticantes regulares):
– Os que têm conhecimento de Yoga, mas com pouca capacidade física
– Os que não têm conhecimento de Yoga mas com condição física adequada (sem problemas físicos maiores e resistência)
– Não se recomenda a quem nunca fez yoga e com condição física debilitada

Recordamos o seguinte:
As aulas públicas por donativo livro têm por objetivo a divulgação do Yoga como ferramenta de autodesenvolvimento de uma forma acessível.


Deixe um comentário

Começar o Verão com um retiro de Yoga e Detox. 7,8 e 9 de Julho 2017

Começar o Verão com uma desintoxicação a fim de eliminar o que menos interessa e dar lugar a um corpo mais ágil dando lugar à época de férias,com leveza e serenidade, é a proposta base dos professores Paula Sousa e Jean-Pierre de Oliveira para este retiro que conta novamente com a participação de Leonor clara (Tribo da terra) na parte da alimentação .

Esta desintoxicação nas prática no Yoga, caracteriza-se por pranayamas de limpeza, ásanas de torção e equilibrantes e por criar o hábito de libertar a nossa mente de pensamentos negativos e tóxicos, o que também é uma forma de desintoxicação.
Cultivarmos pensamentos positivos cria na nossa mente uma vibração mais serena. Ao criarmos intenções positivas, o nosso poder de concretização aumenta e os novos desafios dão lugar a excelentes oportunidades para aprendizagens e reencontros.

Vale a pena parar tudo e fazer uma reavaliação da nossa vivência e arranjarmos algum tempo para uma “desintoxicação” de corpo e mente, o que levará a uma elevação da consciência e nos tornará mais unos, nos ajudará a dar valor ao que realmente importa e a estar mais presentes no Agora.
Corpo e mente desintoxicados e renovados, permitem-nos um equilíbrio espiritual e uma vivência plena e feliz.

Acrescentando a isto, uma alimentação de Detox consciente irá estar presente durante todo o retiro , já que a alimentação é também uma ferramenta indispensável neste processo. Refeições preparadas com amor irão receber-nos após as práticas de Yoga, Meditação e Reflexões.

Praticantes de Yoga de todas as tradições e níveis de experiência são bem-vindos. Todos são bem vindos, de coração aberto à partilha.

Onde?
Quinta São Pedro – Turismo de Natureza
Rua do Movimento das Forças Armadas
2815-786 Sobreda
Portugal

A Quinta de São Pedro é uma propriedade de 4 hectares na península de Setúbal, localizado a 12 km a sul de Lisboa e a 5 km da costa do Atlântico.
A Quinta é um Centro de Estudos principalmente para botânicos e zoólogos que foi criada em 1960 para fornecer facilidades para cientistas visitantes que desejam levar a cabo o seu próprio trabalho de campo, e para estudantes de ciências naturais.
No centro do complexo encontram-se a casa da fazenda moderna e edifícios de trabalho em torno de uma praça central.
Desde 2013 esta reserva natural privada também oferece às as suas instalações para Turismo Natural, Workshops e Seminários
As instalações são excelentes, toda a área é muito bonita,com quartos agradáveis e espaçosos com casa de banho dentro de cada quarto (quartos duplos), espaços de refeição interiores e exteriores com ambiente relaxante e acolhedor. Espaços comuns para ler e descansar, uma sala para prática de yoga e meditação e espaços ao ar livre para as práticas matinais.
É um local maravilhoso e único!

Durante o tempo livre poderemos fazer uso de tudo o que a Quinta tem para oferecer:
. Piscina de 5m para aproveitar o calor de Julho
. 4 hectares de natureza espaço em paz para passear, relaxar e contemplar
. E ainda.. Praia a 5Km para o banho de mar

Para mais informações sobre inscrição e participação, contactar via o email:
info@yoga-spirit.pt

13439000_1144409688954281_5523131951605584113_n-2


Deixe um comentário

7 Dias para mudar com Yoga – Challenge

Com as mudanças que fiz acontecer, surgiu esta necessidade de partilhar não só as minhas aulas, mas também um estilo de vida com interesses ligados a prática da filosofia do Yoga. Se quiserem, o modo como pratico a filosofia do Yoga no meu quotidiano, sem, para isso, ser mais indiano que os indianos. No fundo, é incorporar a sua filosofia num estilo de vida urbano.

Assumi um compromisso pessoal sério, força de vontade para manter a minha determinação e é nisso em que o Yoga me tem ajudado: a acreditar que se eu fizer o que me faz feliz, a vida irá trazer-me mais oportunidades de continuar a ser feliz… Hoje, aplico gratidão e perdão lembrando-me que os milagres (ou seja, as mudanças) acontecem quando desistimos das nossas certezas.

Por vezes pensamos ter superado as nossas limitações mas continuamos a replicar padrões de comportamento e de resposta que nos fazem viver a ilusão do sucesso. Aconteceu-me. Para mudar o mundo a nossa volta, alguma coisa tem de mudar primeiro e vamos fazer isso juntos…

Este desafio tem que ser encarado como algo serio, que deve ser assumido como uma responsabilidade durante 7 dias. É importante assumir este compromisso com determinação:
. Se não se sente preenchido pela vida que tem
. Se se sentir encurralado numa espiral de acontecimentos frustrantes

Todos os dias, de hoje dia 19 até domingo dia 25 irei partilhar um ensinamento com uma técnica de aplicação directa. A única coisa que precisa é da sua mente e dos seus pensamentos.

Aqui partilho o primeiro ensinamento : 7 DIAS DE YOGA

IMG_2803


Deixe um comentário

A ignorância, o sofrimento e o Yoga

É comum ouvir-se dizer no mundo do Yoga que o sofrimento é inerente à ignorância. Esta ignorância é a ausência da necessidade de procurar o conhecimento (auto-consciência). É aquela que deriva da personificação do EU e de acharmos que somos quem os outros vêm ou de achar que somos o que sabemos. Ao estudar o Yoga e a sua filosofia, também se entende que demostrar qualquer conhecimento (ao seja o que entendemos através do estudo) sem que este nos seja solicitado,  é meramente fruto do Ego.

O sofrimento é aquele que emerge das posições que decidimos assumir para marcar posição e afirmar a nossa identidade ou aceitar dos outros o que não decidimos para nos.

EU torno-me o centro de tudo o que sou, de tudo o que faço”

Os psicólogos chamam a estas personalidades as narcisistas: vivem embevecidas no seu EU e no reflexo desse mesmo EGO, deixando de perceber o que é real e o que é reflexo.

Quanto maior o conhecimento, menos nos deveria preocupar demostrar o que sabemos, que conhecimentos fazem parte do nosso enriquecimento. Quanto mais sabemos, mais nos deveríamos deixar de centrar na necessidade de opinar ao percebemos que outros não terão estes conhecimentos e deveríamos decidir deixa-los afirmar as suas opiniões (egos) sem criarmos conflitos e sem levantar questões ou dúvidas.

Cada indivíduo tem o seu trajecto, o seu caminho, a sua procura e verdade, mesmo que isso implique não querer procurar, ficar preso no mundo da ilusão (MAYA). Quanto mais sabemos, menos precisamos de levar os outros a entenderem e a reconhecerem que já sabemos muito.

No fundo, percebemos que a verdade tem muitas facetas, e que a minha perspectiva da verdade não é mais do que isso mesmo, a minha perspectiva da verdade: quanto mais sabemos mais entendemos que a verdade é relativa. Não há necessidade em provocar ou contrapor opiniões ou mesmo afirmar ideias ou conceitos. Simplesmente não existe essa necessidade.

Jean Pierre de Oliveira

Foto por Mário Fragoso


Deixe um comentário

Ser professor de yoga, é ser um estudante na alma

Gosto tanto de ser aluno como de ser professor. Estar apaixonado pelo que se faz é muito importante. Estou apaixonado pelo bem estar e pela saúde em geral, quer seja fisica ou mental e estou continuamente a procura de saber mais, a querer aprender mais para poder partilhar com os outros. Quando sinto que os outros ficam entusiasmados com estas partilhas, que há um feedback positivo, fico ainda mais motivado em procurar mais para partilhar ainda mais…

Manter a minha vontade de aprender independentemente da minha experiência, do meu passado e situação presente, é o que me permite criar o equilibrio e a liberdade de que necessito para continuar a explorar esta maravilhosa oportunidade que é de viver o mais plenamente possível. Não há, de facto, nada de mais satisfatório do que dar. No Yoga, trabalho e lazer acabam por se diluir um no outro. Poderá haver melhor forma de viver que a minha?

Quando se demonstra Asanas não se trata de impressionar com poses de tipo “fancy”, trata-se muitas vezes de trabalho técnico para perceber os desalinhamentos comuns e pensar como ajudar os praticantes a entender como podem melhorar o seu próprio alinhamento relembrando que por vezes o mais adequado em termos mecânicos não é de todo o que chamaríamos de “esteticamente” mais apelativo, mas será com certeza o mais adequado para expansão e bem estar corporal.

O professor deve manter-se atento e presente no momento em que os alunos precisam dele. O professor deve entregar-se a aula sem se perder nela e estar presente para os seus alunos. Dar uma aula é isto mesmo: DAR. E para dar, também temos de trabalhar duro, sair da nossa zona de conforto, fazer o que pensávamos nunca conseguir para vencer com sorriso no coração e felicidade estampa na cara. Também a mim me custa aquecer os músculos e desenferrujar as articulações.

O Yoga é como um oceano repleto de tesouros improváveis e riquezas deslumbrantes. Cada vez que procuro aprofundar conhecimentos chego a conclusão que muito pouco sei mas trago sempre comigo a minha beginner’s mind extasiando-me perante tanta sabedoria disponível e acessível para quem a procurar e quando me perguntam o que é ser um bom professor de Yoga, a primeira coisa que me apetece dizer é que não tem a ver com o domínio das posturas de Yoga mais extravagantes ou manter uma invertida na cabeça indefinedamente sem vacilar… Ser um bom prof é no fundo dar sem contar.

Gosto de me deparar com outros professores que como eu sabem e gostam de ensinar coisas serias com sentido de humor. Não é por colocar sorrisos na boca dos outros que se perde o sentido e a profundidade dos ensinamentos. Penso que o que faz dum professor ser um bom professor é a forma como consegue motivar e inspirar as pessoas. Não é dizer aos outros o que está bem ou o que está errado pois quem deve decidir é o próprio aluno. O professor deve manter vivo o pensamento que a vida é feita de diversidade e existem milhares de formas de fazer ou dizer uma só coisa e deve adaptar os seus conhecimentos as pessoas que o procuram.

Ser um bom prof é amar partilhar, é ser um estudante na alma, querer mais experiências da vida e partilhar a informação com os outros. Ser honesto, autentico e falar abertamente é definitivamente uma característica do bom professor. Estar apaixonado pelo que se faz é muito importante. Dar aulas deve ser uma paixão. A paixão pelos outros. É pôr de lado o queremos fazer (para nós, professores) e proporcionar aos outros a experiência transformadora que procuram. Quando queremos dar aulas de Yoga, devemos ir além do nosso amor e gosto pela nossa própria prática pessoal e procurar transmitir esta paixão!

No fundo, para mim, o bom professor é aquele que dá por gosto.

pray

Créditos da foto: Mário Fragoso